Arquivo da categoria ‘Setembro de 2010’

Devido ao trabalho, as matérias acabaram atrasando, então neste fim de semana tentarei por em dia as matérias do site. Espero que gostem. Um forte abraço !

A-squared Free

Tela Principal do A-square

O A-squared Free é um complemento que se integra ao seu antivírus para auxiliá-lo na proteção do computador. Utilizar o computador e navegar na internet hoje em dia já faz parte do dia-a-dia, e é essencial se proteger dos diversos invasores que povoam a Internet. A-squared é um pacote completo para a proteção do computador. Ele protege não apenas de spywares, mas também detecta trojans, worms, backdoors, dialers, keyloggers e outras ameaças que podem colocar o PC em risco. Este software encontra e remove todo o tipo de peste com segurança. O primeiro passo é uma busca na memória para detectar malware, seguido de uma busca no disco por todos os arquivos suspeitos. Atualmente há mais de 200.000 tipos de malwares conhecidos que podem ser removidos pelo A-squared Free.

Janela de Configuração

Ele também é um complemento para o seu antivírus e seu firewall. Os softwares antivírus são especializados em detectar vírus clássicos e muitos deles têm fraquezas na detecção de softwares maliciosos (malwares) como trojans, discadores, worms, spywares e adwares. É por isso que o A-squared Free é tão importante, pois possui uma proteção extra que identifica que elimina milhares de ameaças conhecidas que não são detectadas pelos programas de proteção.

Tela do Scan do A-square

A-squared Free preenche a lacuna que os malwares exploram. O A-squared possui um bom poder de detecção se comparado aos seus concorrentes, no entanto uma das principais queixas entre os usuários é o fato dele detectar muitos falsos dispositivos. Mas ele é uma boa alternativa para ser usado como complemento do antivírus e do firewall, garantindo um nível maior de proteção ao micro.

Avião de Hoje: Fokker Dr.I Dreidecker

Publicado: 28 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Fokker Dr. I Dreidecker

Fokker Dr. I

O Fokker Dr.I Dreidecker (triplano) foi um avião militar da Primeira Guerra Mundial projetado por Reinhold Platz e construído pela Fokker-Flugzeugwerke. O modelo ganhou notoriedade quando foi pilotado pelo “Barão Vermelho” Manfred von Richthofen. O Triplane foi criado em resposta ao desempenho do inglês Sopwith Triplane, que tinha capacidade de manobra incrível e uma taxa surpreendente de subida. Anthony Fokker encarregou Reinhold Platz para projetar um avião para coincidir com o Sopwith Triplane.

FokkerDr. I Triplane do "Barão Vermelho" em ação

Apesar de seu desdém por estruturas complexas, Platz conseguiu de forma admiravel com o que o Dr. (Dr. de “Driedecker” ou triplano) tivesse um grande desempenho. Usando o motor rotativo Oberursel disponível de 80 kW de potência, Platz criou um avião bonito, com três asas cantilever, essencialmente, que ultrapassou o inglês Triplane no tocante ao desempenho. O Fokker Dr. I, apesar de relativamente lento, tinha uma dirigibilidade incomparável e uma taxa de subida que surpreendeu os pilotos aliados.

Réplica do Fokker Dr. I

Richthofen, se recuperando de um ferimento recente, recebeu um dos aviões de produção,um dos dois primeiros e ficou encantado com ele, escrevendo no diário de bordo de sua unidade “FI/102/17 [o número de série do seu novo Triplane] é superior a todos os inimigos”. Este foi um grande elogio de um homem que tinha pilotado o seu Albatros amargamente por meses. Infelizmente para os alemães, uma série de acidentes fatais revelou problemas de controle de qualidade na construção das asas dos Fokker Dr I’s. Os aviões foram remodelados, com asas fabricadas seguindo um controle rígido de qualidade, mas a produção foi interrompida em 320 unidades, e o Fokker Triplane foi gradualmente retirado de serviço na linha de frente.

Réplica do Fokker Dr. I equipada com o motor francês Le Rhone

Fokker Dr. I Triplane:

Velocidade Máxima: 185 km/h.

Altitude Operacional: 6.095 metros.

Climb: Cerca de 5,7 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: 3 horas e 05 minutos.

Pesos: Vazio 406 kg. Máximo na decolagem: 586 kg.

Armamento: 2X LMG 08/15 “Spandau” de 7,92 mm.

Fokker Dr. I com as cores do ás Josef Carl Peter Jacobs

Se alguém tivesse de atribuir um fator de porcentagem para essa fama, cerca de dez por cento vem do fato de que foi o avião em que o maior ás alemão, o Barão Manfred von Richthofen, foi morto, logo após sua 80º vitória, a última. Surpreendentemente, cerca de 90 por cento deve ser atribuído à invocação da aeronave nos quadrinhos de Charles Schultz, o criador do Peanuts, onde Snoopy em que voava o seu “Sopwith Camel” casinha contra o Barão inevitavelmente vitorioso, o Vermelho Fokker Triplane. Foi um avião excepcional, montaria de grandes ases que acabou sendo prejudicado devido a má qualidade de produção, obrigando a uma curta carreira em serviço, mas o suficiente para fazer com ele fizesse parte da lista dos maiores aviões de caça de todos os tempos.

SUPERAntiSpyware

Logo do SUPERAntiSpyware

O SUPERAntiSpyware é um programa cuja função é detectar e remover ou enviar para quarentena diversos tipos de spywares que estejam no computador. Atualmente, devido à grande quantidade de spywares espalhados pela internet ou anexados a programas que eventualmente sejam instalados, este tipo de aplicativo de segurança se tornou parte do sistema de proteção do micro. O SUPERAntiSpyware possui 4 versões: Free Edition, Professional Edition, Portable e a Educational/ Enterprise. Esta matéria irá falar da versão Free Edition, devido ao fato de que na grande maioria das vezes, o usuário testa a versão gratuita e se gostar, adquire ou não a versão paga(Professional) do aplicativo.

Entre as opções do programa, estão disponíveis ferramentas para varrer o sistema em busca de ameaças, remoção ou quarentena de pragas e atualizações. No menu Configurações de preferências, entre algumas opções estão: Aplicar proteção de sua página inicial contra alteração, Iniciar (e iniciar varredura) junto com o Windows e Remover sem enviar para quarentena.

Janela de Opção de pastas para verificação do SUPERAntiSpyware Free Edition

Opções de proteção em tempo real (tenta bloquear os spywares antes que eles efetivamente entrem no computador) e busca automática por atualizações a cada oito horas só estão disponíveis para a versão paga do programa. Após rastrear computador, o programa exibe os resultados descrevendo o tipo de ameaça e quantos itens da categoria foram detectados.  Ao lado direito dessa lista, há um detalhamento por categorias (itens de pasta, de memória, de registro), total de ameaças e tempo decorrido.O programa possui suporte para alguns idiomas, entre eles o português brasileiro, embora algumas palavras e frases continuem em inglês. A interface é enxuta e torna seu uso intuitivo por meio de opções diretas e em forma de botão.

Tela de Opções de Escaneamento do SUPERAntiSpyware Free Edition

O SUPERAntiSpyware Free Edition é uma opção não tão conhecida pelos usuários deste tipo de programa, mas cumpre bem o seu papel e consegue fazer a limpeza de spywares de maneira eficiente e sem sustos. Por ser uma ferramenta antispyware, ela deve ser usada em conjunto com um antivírus para garantir uma proteção eficaz do sistema.

Avião de Hoje: Sopwith Triplane

Publicado: 25 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Sopwith Triplane

Réplica do Sopwith Triplane

O Sopwith Triplane foi um caça triplano britânico utilizado durante a Primeira Guerra Mundial, desenhado e produzido pela Sopwith Aviation Company. Os pilotos apelidaram ele de Tripehound ou simplesmente as tripas. O Triplane se tornou operacional com o Royal Naval Air Service, no início de 1917 e teve sucesso imediato.

Sopwith Triplane no Museu da RAF

O Triplane foi inicialmente impulsionado pelo motor Clerget 9Z de 110 cv de 9 cilindros, mas a produção equipou a maioria com o motor Clerget 9B de 130 cv rotativo. Pelo menos um Triplane foi testado com um Le Rhône de 110 cv  rotativo, mas isso não gerou uma melhoria significativa no desempenho. Sua performance era ligeiramente inferior ao seu antecessor, o Sopwith Pup Biplano. O aparelho não possuía as mesmas características de manobras que o pequeno biplano executava, mas mesmo assim muitos pilotos preferiram-no a continuar pilotando o Sopwith Pup. A vantagem do Sopwith Triplane era o seu campo de visão que permitia aos pilotos mais segurança em manobras de combate. Os alemães ficaram tão impressionaram que produziram inúmeras cópias. Houve por parte dos alemães um grande esforço para superar o desempenho do Sopwith Triplane chegando até mesmo a construir um quadriplano.

Sopwith Triplane em Combate

Sopwith Triplane:

Velocidade Máxima: 187 km/h.

Altitude Operacional: 6.250 metros.

Climb: Cerca de 6 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: 2 horas e 45 minutos.

Pesos: Vazio 450 kg. Máximo na decolagem: 642 kg.

Armamento: 1 X Vickers de 7,7 mm.

Sopwith Triplane

O serviço do Sopwith Triplane foi curto como caça de primeira linha na guerra, mas o seu impacto foi tão grande que se tornou um avião muito querido pelos ases britânicos e até mesmo o grande ás Von Richthofen alemão preferia voar numa cópia alemã do Triplane, o Fokker Dr.I. O Triplane foi, no entanto, construído em pequeno número, somente 146 exemplaeres e foi retirado do serviço ativo quando os Sopwith Camels chegaram na segunda metade de 1917. Sobrevivendo a aeronave, continuou a servir como avião de treinamento operacional até o final da guerra.

Matéria Adiada

Publicado: 23 de setembro de 2010 em Setembro de 2010

Pessoal, devido a motivos de força maior, a matéria sobre aviação que ia ao ar hoje ficou para amanhã.  Desculpe o incoveniente.

Abraços,

Bit Voador.

Ad-Aware Free Edition

Logo do Ad-Aware

O Ad-Aware Free é um anti-spyware e anti-malware, como cookies rastreadores, vírus, programas que roubam senhas, etc. No entanto, a maior parte das funções avançadas do Ad-Aware, como o antivirus, estão reservadas para as versões Plus e Pro, que são pagas.

*Atenção: A versão Plus está disponível gratuitamente, desde que você preencha uma pesquisa dos patrocinadores da Lavasoft no site do fabricante.

Na versão Free, somente é possível analisar o sistema do seu computador em busca de arquivos suspeitos, manter uma proteção em tempo real contra a execução de aplicativos/processos maliciosos, apagar os registros de navegação armazenados no Explorer ou no Firefox, manter o Outlook protegido contra anexos de email perigosos e eliminar qualquer tipo de rootkit. As demais funções não estão disponíveis nesta versão. Mas esses recursos já permitem ao usuário fazer uma verificação do seu sistema.

Tela para registrar o Ad-Aware em caso de compra de versão paga

Durante a instalação você tem a opção de colocar o Ad-Aware em uma entre várias línguas, inclusive o português (de Portugal)! Uma vez terminada a instalação, é necessário reiniciar o computador para poder utilizar o Ad-Aware Free. Ao abrir o programa, aparece uma janela falando sobre comprar ou registrar o programa, como esta é a versão gratuita, basta clicar em “Fechar” para poder usar o programa, mas caso você queria comprar a versão Plus ou Pro, clique em “Comprar licença” e depois de pagar insira número de série no campo designado.

Tela de Escaneamentos do Ad-Aware

Logo ao abrir o Ad-Aware há cinco opções: Principal, Analisar, Ad-Watch, Extras e logo abaixo Configura. Na primeira é possível saber se o programa está atualizado ou não. Na segunda é onde se faz uma análise no sistema à procura de arquivos suspeitos e rootkits. A terceira mostra o andamento da proteção em tempo real. Na quarta você acessa somente a opção TrackSweep (que limpa seus dados de navegação). E finalmente, a última permite que você configure algumas características do Ad-Aware Free.

Ao clicar em “Analisar”, há duas opções de análises: a inteligente, que verifica as partes mais críticas do sistema, e a completa, que analisa tudo a fundo. Após a escolha, basta clicar em “Analisar agora” e esperar os resultados. Quando os resultados aparecerem você define o que fazer com os arquivos suspeitos ou executa a ação recomendada pelo programa. Então, clique em “Efectuar acções agora” e espere aparecer “Êxito” no local em que antes era possível escolher o que fazer com os arquivos.Nas abas “Quarentena” e “Lista de.” você aponta o que fazer com arquivos infectados ou ignorados anteriormente por você, respectivamente. Aqui existem três tipos de proteção, no entanto, somente a de processos é liberada para usuários da versão gratuita.

Caso um processo malicioso seja detectado o Ad-Watch interrompe a execução dele e mostra um aviso, para tomar alguma providência quanto ao referido processo é necessário ir à aba “regras do processo” e selecionar se você quer ser avisado ou não toda vez que esse processo tentar ser executado, bloqueá-lo ou então permitir a sua execução. Como dito anteriormente, nesta área é possível limpar os históricos de navegação dos navegadores Explorer e Firefox, além de ativar a proteção de email para o Outlook. Basta selecionar o que você deseja limpar e clicar em “Varrer agora”.

Tela do Ad-Aware com a opção para mudança de execução do programa

Preste atenção no canto inferior esquerdo da janela inicial do programa há dois botões. Eles alternam as características do Ad-Aware de acordo com o perfil de usuário que você apresenta. O modo fácil é indicado para iniciantes e exibe as funções de maneira automatizada. Já o modo avançado é desenvolvido para atender às necessidades de usuários familiarizados com o assunto. Nele é possível alterar os aspectos mais complexos das varreduras, o que não é recomendado para usuários menos experientes.

Apesar de ter algumas opções disponíveis apenas nas versões pagas, o Ad-Aware é uma ótima ferramenta contra as ameaças da internet, sendo em sua versão Pro uma solução que inclui também um antivírus. Vale a pena fazer um teste com esse programa de segurança.

Avião de Hoje: Nieuport 17

Publicado: 21 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Nieuport 17

Nieuport 17

O Nieuport 17 era uma versão maior desenvolvida apartir do Nieuport 11 , e tinha um motor mais potente , asas maiores, e uma estrutura mais refinada em geral. Nas primeiras versões ele foi equipado com um motor Le Rhône 9J de  82 kW , embora as versões posteriores receberam uma versão mais potente, de 97 kW. Tinha excelente manobrabilidade e uma excelente taxa de subida. Infelizmente, a asa inferior era estreita, sendo fraca pois tinha um único mastro, e uma tendência a se desintegrar em vôo. Inicialmente, o Nieuport 17 manteve montada acima da asa a metralhadora Lewis do Nieuport 11, mas em serviço francês este foi logo substituído por uma Vickers sincronizada. Na Royal Flying Corps , a Lewis montada acima da asa era geralmente mantida, depois com o uso da montagem Foster , um trilho de metal curvado que permitiu ao piloto levar a arma para mudar os tambores ou eliminar os atolamentos. As poucas aeronaves monopostos eram equipadas com ambas as armas – mas, na prática, o desempenho destas era inaceitavelmente reduzido, e uma metralhadora única permaneceu como padrão.

Nieuport 17 (1916).

Ele entrou em serviço em 1916, e rapidamente começaram a substituir o Nieuport 11 no serviço aéreo francês. Também foi usada pelo Royal Flying Corps e Royal Naval Air Service , uma vez que era superior a qualquer caça britânico da época. Digno de nota é o fato de que, durante parte de 1916, o Nieuport 17 equipava cada esquadrão de caças da Aéronautique Militaire. Os alemães usaram os aviões capturados para repassar aos vários fabricantes de aeronaves para que fizessem a cópia dele. Isso resultou no Schuckert-DI Siemens que, além da instalação do motor, foi uma cópia próxima e realmente entrou em produção, embora não tenha sido utilizado operacionalmente na Frente Ocidental.

Réplica do Nieuport 17

Em meados de 1917, o Nieuport 17 foi ultrapassado em muitos aspectos pelos últimos caças alemães . Os modelos mais recentes (o Nieuport 24 e 27 ) foram tentativas para manter o caça competitivo frente a seus rivais alemães. No entanto, o SPAD S. VII já havia substituído os Nieuport em muitos esquadrões franceses no final de 1917. Os britânicos continuaram com os Nieuport durante um tempo um pouco maior, não substituindo os seus Nieuport até 1918.

Nieuport 17 do Museu da RAF

Nieuport 17:

Velocidade Máxima: 165 km/h.

Altitude Operacional: 5.300 metros.

Climb: Cerca de 4 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: Cerca de 1 hora e 40 minutos.

Pesos: Vazio 375 kg. Máximo na decolagem: 560 kg.

Armamento: 1 X Lewis ou Vickers de 7,92 mm e 8 foguetes Le Prieur.

Nieuport 17

O Nieuport 17 foi um desenvolvimento natural do Nieuport 11, mas graças a sua manobrabilidade e alta taxa de subida tornou-se um dos grandes caças franceses da 1º Guerra Mundial. Ele foi a montaria de quase todos os ases aliados, possibilitando aos aliados tomarem o controle do espaço aéreo dos alemães até o “Abril Vermelho”.

Malwarebytes Anti-Malware

Símbolo do Malwarebytes Anti-Malware

Malwarebytes Anti-Malware é considerado o próximo passo na detecção e remoção de malwares. Nele foram compiladas uma série de novas tecnologias que foram projetadas para detectar, destruir, e impedir a infecção de malwares de forma rápida e precisa. Malwarebytes Anti-Malware pode detectar e remover malwares que até mesmo os mais conhecidos antivírus e anti-malwares não conseguem detectar. Malwarebytes Anti-Malware monitora todos os processos e para processos maliciosos antes que eles sequer comecem a executar. O módulo de proteção em tempo real usa nossa varredura heurística, avançada tecnologia que monitora o seu sistema para mantê-lo seguro.

Janela de Execução do Malwarebytes Anti-Malware

O funcionamento do Malwarebytes Anti-Malware é parecido com o de um antivírus. Quando ele encontra um software malicioso, o apaga se tiver certeza que é malicioso. Se tiver dúvidas, o envia para uma base de dados de arquivos em quarentena ou solicita uma ação do usuário para mantê-lo funcionando. Como a interface do programa é bem intuitiva, essas funções são fáceis de realizar. O programa também nem tem algoritmos avançados de busca de vírus. Por essas características ele não substitui e nem é um antivírus.

Ele é apenas um complemento para ajudar o antivírus na busca por pragas no micro.

Tela de opções do Malwarebytes Anti-Malware

Principais Características

  • Suporte para Windows 2000, XP, Vista e 7 (32-bit e 64-bit).
  • Uma  velocidade rápida nas buscas por pragas.
  • Capacidade para executar escaneamentos completos para todas as unidades.
  • Módulo de proteção Antí – Malware exclusivo do Malwarebytes. (Requer registro).
  • Database atualizadas diariamente.
  • Quarentena para armazenar ameaças e restaurá-las quando você desejar.
  • Desabilitar um dos módulos de acordo com a sua preferência.
  • Definições para melhorar o desempenho do Malwarebytes.
  • Uma pequena lista de utilitários extra para ajudar a remover malware manualmente.
  • Suporte a várias línguas.
  • Trabalha junto com outros utilitários anti-malware.
  • Uso de linha de comando para executar varreduras rápidas.
  • Possibilidade de fazer escaneamentos de arquivos sob demanda.

Logo da última versão do programa

Um detalhe importante: o Malwarebytes Anti-Malware não funciona em tempo real. Para ativar esse recurso, o usuário precisa comprar uma licença especial do software, que custa US$ 24.95.

O Malwarebytes Anti-Malware é uma opção interessante para quem deseja ter mais de uma aplicação desse tipo no computador. Essa característica permite que o programa seja executado sem a necessidade de desabilitar o antivírus ou o outro aplicativo de segurança, permitindo que o usuário faça vários escaneamentos na máquina sem risco de provocar danos ao sistema.

Avião de Hoje: Pfalz D.III

Publicado: 19 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Pfalz D.III

Pfalz D.III (1917).

O Pfalz D.III foi um avião de caça utilizado pela Luftstreitkräfte (Força Aérea Imperial Alemã) durante a Primeira Guerra Mundial. O D.III foi o primeiro grande projeto original da Pfalz Flugzeugwerke. Embora seja geralmente considerado inferior aos seus contemporâneos Albatros e Fokker, o D.III foi amplamente utilizado pela Jagdstaffeln (esquadrões de caça da Força Aérea Alemã durante a I Guerra Mundial) do outono de 1917 até o verão de 1918. Ele continuou a servir como avião de treinamento até o final da guerra.

Pfalz D.III

Os pilotos alemães criticaram constantemente os pesados controles do Pfalz, a baixa velocidade, a falta de potência ou a baixa taxa de subida em comparação com o Albatros. A principal vantagem do Pfalz era sua força e robustez. Os Albatros eram atormentados pela falha de suas asas inferiores de longarina simples. O Pfalz, entretanto, podia mergulhar com segurança em altas velocidades devido à sua asa inferior de longarina dupla. Por esta razão, o Pfalz foi bem adequado aos ataques de mergulho contra balões de observação os quais geralmente eram fortemente defendidos por baterias antiaéreas preparadas para a altitude do balão.

Um dos primeiros Pfalz D.IIIa operacionais

O modelo D.IIIa:

A queixa mais grave em relação ao Pfalz era que as armas estavam incrustadas na fuselagem impedindo o destravamento da arma pelo piloto durante o vôo. Em novembro de 1917, a Pfalz respondeu pela produção do modelo modificado D.IIIa que realocou as armas para os decks da fuselagem superior. O D.IIIa distinguiu-se pelo seu estabilizador horizontal e semicircular alargado e pontas das asas inferiores cortadas. Ele também incluiu uma versão mais potente do motor Mercedes D.III de 119 kW de potência, melhorando sensivelmente as performances do avião.

Pfalz D.IIIa:

Velocidade Máxima: 185 km/h.

Altitude Operacional: 5.200 metros.

Climb: Cerca de 6 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: 2 horas e meia.

Pesos: Vazio 690 kg. Máximo na decolagem:935 kg.

Armamento: 2 X LMG 08/15 “Spandau de 7,92 mm.

Pfalz D.III em combate.

O Pfalz foi um avião que formou ao lado do Albatros e do Fokker o corpo de caça alemão durante a fase final da Guerra, por ter performances no geral inferior aos outros, acabou sendo usado em ataques a alvos secundários. Mesmo assim, cerca de 100 estavam em serviço quando a Guerra terminou, mostrando – se importante para a aviação militar alemã.

Ausência neste final de semana

Publicado: 19 de setembro de 2010 em Setembro de 2010

Devido ao trabalho, acabei ficando sem tempo nestes últimos dois dias para colocar no blog a matéria sobre aviação. Espero recuperar o ritmo de posts nesta semana, salvo algum imprevisto. Espero que gostem do post e que enviem comentários para poder melhorar ele ainda mais. Abraços e boa leitura !

Avião de Hoje: Bristol Scout

Publicado: 15 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Bristol Scout

Bristol Scout em combate

O Bristol Scout foi um caça monopoto com motor rotativo biplano originalmente concebido como um avião civil de corridas. Como era rápido foi adquirido pela RNAS e RFC como um avião de reconhecimento rápido.Com o início da Guerra, foi um dos primeiros aviões a serem utilizados como caças, mas não foi possível equipá-lo com um armamento eficaz até o primeiro sistema britânico de sincronização tivesse disponível, com o tempo ele foi ultrapassado por aviões mais modernos, sendo usado pelas forças britânicas como avião de reconhecimento até a década de 20.

Versões:

Scout A

Bristol Scout A

Após a sua primeira aparição pública em maio 1914, o que mais tarde se tornaria conhecido como o “Bristol Scout A” tinha sido reformado com um comprimento maior de 7,49 m em comparação com os 6,71 m iniciais do protótipo. O primeiro militar britânico avaliou o Scout em 14 de Maio de 1914, em Farnborough , quando o avião atingiu uma velocidade de 157 km / h.

Scout B

Bristol Scout B

Dois aviões Scout B, idênticos a versão A, mas equipado com o motor Le Rhone rotativo de 60 kW, foram construídos para a avaliações militares. A eclosão da Primeira Guerra Mundial, iniciada em seguida, estas duas aeronaves receberam do Royal Flying Corps números de série 644 e 648, primeira vez que foram postos em serviço na data de  20 de Setembro de 1914, com o primeiro, número de série 644, sendo danificado além do reparo, em 12 de novembro daquele ano em um pouso forçado.

Scout C

Bristol Scout C

O Scout C, muito semelhante ao anterior Scout B, foi encomendado pelo governo britânico em 05 de novembro de 1914, em um lote de 12 aeronaves de produção para o Royal Flying Corps, e em 7 de dezembro de 1914 pelo Royal Naval Air Service em um lote de 24 aeronaves. Ambos os dois primeiros lotes de produção da aeronave Scout C eram movidos pelo Gnome Lambda rotativo de 60 kW, tal como o tinha sido o Scout A.

Scout D

Bristol Scout D

A última versão, a Scout D, gradualmente surgiu como uma série de melhorias para o projeto do Scout. Ele foi concebido para abrigar a eventual escolha do mais poderoso motor Gnome de 9 cilindros  de 100 kW rotativo nos lotes de produção para melhorar o seu desempenho. Cerca de 210 exemplares da versão Scout D foram produzidos, com 80 das quais para o RNAS, e os outros 130 para o Royal Flying Corps.

Bristol Scout acoplado a outro avião

Bristol Scout:

Velocidade Máxima: 151 km/h.

Altitude Operacional: 4.900 metros.

Climb: Cerca de 6 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: 2 horas e meia.

Pesos: Vazio 358 kg. Máximo na decolagem:542 kg.

Armamento: 1 X Lewis de 7,7 mm.

Um avião que inicialmente teria uso como avião civil, o Bristol Scout se mostrou um bom caça no início da guerra, com o aparecimento do Albatros, mais moderno, ele foi substituído pelo Sopwith Pup como caça de primeira linha, sendo relegado a tarefas secundárias e como observador, função que exerceu no pós – guerra.

Avião de Hoje: Caudron R.11

Publicado: 13 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Caudron R.11

Caudron R.11 em Combate

Desenhado por René Caudron e Paul Delville, o Caudron R.11 era primo do R.4 de reconhecimento/bombardeiro. A L’Aviation Militaire precisava de uma aeronave mais leve e maior para substituir o R.4 já ultrapassado. Originalmente concebido como um avião de reconhecimento, o biposto Caudron R.11 se tornou um dos melhores caças/bombardeiros da Guerra. Em alguns trabalhos ou estudos é considerado, até mesmo como um caça de longo alcance. As diferenças com R.4 são um nariz mais pronunciado, maiores dimensões e um design futurista para a época. A versão de bombardeiro contava com mais um tripulante e um número maior de metralhadoras,5, para autodefesa.

Caudron R.11.

Entre as novidades, o novo R.11 tinha um controle de vôo duplo, o que significa que se o piloto morreu ou ficou incapaz de conduzir o avião, o observador poderia assumir o controle do avião. O exército francês fez o pedido de 1000 R.11. A produção começou em 1917, com a primeira aeronave concluída no final daquele ano. Em fevereiro de 1918, o primeiro esquadrão R.26 foi equipado. O último esquadrão a ser equipado antes do Armistício foi a R.246, a produção foi encerrada de forma abrupta  com apenas 370 aviões tinham sido concluídos.

Caudron R.11 versão de Reconhecimento/Bombardeiro

O Caudron demorou a entrar em serviço devido a problemas com os motores Hispano – Suiza, após esses atrasos, as primeiras unidades entregues tinham dois motores Hispano-Suiza, com resfriamento hidráulico de 8 cilindros em linha de  160 kW de potência cada.

Caudron R.11 versão de Bombardeiro

Caudron R.11:

Velocidade Máxima: 183 km/h.

Altitude Operacional: 5.950 metros.

Climb: Dado não disponível.

Autonomia: 3 horas.

Pesos: Vazio 1422 kg. Máximo na decolagem: 2167 kg.

Armamento: Até 5 X Lewis de 7,7 mm e até 300 kg de bombas.

Vários Caudron R.11 estacionados após o Armistício.

O Caudron R.11 foi o primeiro caça/reconhecimento/bombardeiro biposto francês que entrou em serviço, com um desenho avançado e performances iguais aos caças da época, mostrou-se ser um grande avião, sendo que devido ao fim do conflito a sua produção foi pequena. No pós – guerra foi usado como bombardeiro e reconhecimento nas guerras coloniais pelos franceses.

Símbolo do Bastille Framework para Hardening

Bastille

O programa de Hardening Bastille protege o sistema operacional, configurando o sistema de maneira proativa para aumentar sua segurança e reduzir as chances de ser comprometido. O Bastile também pode ser usado para ajudar no processo de Hardening do sistema, reportando e detalhando cada configuração de segurança usada pelo programa. O Bastile auxilia o usuário/administrador do sistema a escolher exatamente como “fortalecer” o sistema operacional. No modo de operação/hardening padrão, ele interage com o usuário fazendo perguntas, explicando cada tópico para, então, criar uma política baseada nas respostas do usuário. Logo em seguida, aplica-se as políticas no sistema. No modo de auditoria, ele cria um relatório para ensinar o usuário sobre as configurações de segurança disponíveis, além de informar quais configurações foram definidas/ajustadas. Bastille abrange uma ampla variedade de plataformas e distribuição, tornando-se ideal para a configuração de ambientes heterogêneos de TI. Ele é uma ferramenta automatizada para poder configurar o hardening do sistema de maneira eficaz.

Tela mostrando a configuração do Bastille

Como o próprio nome sugere, Bastille Hardening Linux ajuda a “endurecer” as máquinas. Endurecimento é o processo de reforço das defesas de uma máquina contra ataques, evitando assim que a mesma seja comprometida. O processo do Bastille é realizado através de:

  • Desabilitando serviços desnecessários.
  • Garantir somente os usuários têm permissões adequadas para executar programas.
  • Definindo permissões restritivas ao acessar arquivos.

Alguém poderia se perguntar: “Porque é que o hardening é necessário? Porque as máquinas não são susceptíveis de serem atacadas ou somos apenas uma empresa  com pequenos fins lucrativos.” A realidade é que nessas situações, é improvável que a sua organização, empresa ou computador seja o alvo do ataque. No entanto, a maioria dos ataques não são o resultado da investigação deliberada, mas sim o resultado de um sondamento automatizado realizado por scripts.

Configurando os módulos do Bastille

Essencialmente, o resultado desses ataques a partir de um script (geralmente não muito sofisticados, tecnicamente falando), acabam desencadeando um programa automatizado que age através de uma série de endereços de Internet. Se o endereço IP de sua máquina estiver nesse intervalo, e é vulnerável, ela será atacada e, talvez, comprometida. Então o cansativo e oneroso negócio da recuperação começa e recuperação é sempre mais trabalhosa do que a prevenção. Portanto, as máquinas de hardening é uma parte crucial de qualquer plano de segurança da organização. Como você pode imaginar, uma máquina de hardening correta é um processo detalhado e demorado realizado por um administrador de sistema. É fácil esquecer um ou mais passos importantes, que podem não só deixar a máquina vulnerável, mas também criar uma falsa sensação de segurança sobre o perfil de risco de uma máquina, podendo por a perder toda a segurança da organização.

Bastille em Modo Texto

Além disso, Bastille deve ser instalado em todas as máquinas que você deseja configurar. Nada poderia ser mais fácil, certo? Até mesmo se você só tem uma outra máquina que você deve configurar, usar esse recurso de Bastille é bem fácil. Bastille é escrito em Perl, possibilitando uma configuração sem grandes dificuldades. Muitas das funções reais (como alterar permissões de arquivos) podem ser configuradas com uma simples declaração no Bastille, que serão aplicadas como parte do seu trabalho de configuração.

Bastille no Modo Gráfico

Se a sua reação imediata é que, enquanto este produto é grande demais para o hardening de suas máquinas ou você já tem um conjunto de máquinas instaladas e não sabe como poderia estar fazendo para aumentar a segurança dos sistemas nelas, você vai ficar feliz em saber que com o Bastille, você passa a ter uma capacidade de auditoria que vai lhe dar uma visão detalhada da sua infra-estrutura instalada, podendo assim ser feito com mais sucesso um plano de gerenciamento de segurança da informação na sua empresa.
Enfim usar o Bastille pode tornar a elaboração de políticas de segurança da informação muito mais fáceis de serem elaboradas e adotadas, tornando essa tarefa bem mais tranqüila para o administrador do sistema. Para poder usar o Bastille, este artigo escrito por James Turnbull  na qual este post é baseado é uma ótima fonte de ajuda para instalar e configurar o Bastille: http://searchenterpriselinux.techtarget.com/tip/0,289483,sid39_gci1250787,00.html. Espero que gostem desta série especial sobre segurança para ambientes GNU/Linux.

Avião de Hoje: Halberstadt D.II

Publicado: 11 de setembro de 2010 em Aviões, Setembro de 2010

Halberstadt D.II

Halberstadt D.II em vôo

O Halberstadt D. II era um caça biplano da Luftstreitkräfte (Serviço Aéreo Imperial Alemão), que serviu durante o período da superioridade aérea aliada no início de 1916, mas começou a ser substituído pelo superior  Albatros no Outono de 1916. O D.II foi a versão de produção do experimental DI . Desenvolvido para melhorar o desempenho, também apresentou asas escalonadas, e uma versão mais potente do motor Mercedes D. II de 90 kW. O lado frontal e radiadores que haviam sido tentados no D.I foram substituídos por um radiador montado na asa semelhante ao usado mais tarde pelos Albatros D. III e DV.

Halberstadt D.II (1916)

O caça Halberstadt D.II era pouco melhor do que o Fokker Eindecker’s e inferior aos caças aliados contemporâneos como o Nieuport 11 e Airco DH2 , mas ganhou o respeito dos pilotos aliados, e foi o caça preferido dos pilotos da Jagdstaffeln (esquadrilhas de caça) até o Albatros DI tornar-se disponível. Com o Albatros novos caças entraram em serviço e o Halberstadts D.II foi rapidamente substituído, embora alguns tenham  sobrevividos até 1917. Manfred von Richthofen (Barão Vermelho) voou um  Halberstadt D. II por algumas semanas em março de 1917, após a longarina do seu Albatros D . III ter rachado em combate.

Halberstadt D.II estacionado na frente ocidental

A Aviatik da Alemanha construiu o D.II sob licença.  O Halberstadt D. III diferia principalmente da versão D. II, no uso do motor, usando o Argus As.II 90 kW de seis cilindros em linha, no lugar do Mercedes D.II. Um total de 50 D.III foram construídos, com o primeiro entrando em serviço em 30 de julho de 1916, e os últimos 20 em agosto de 1916.

Halberstadt D.II

Halberstadt D.II:

Velocidade Máxima: 145 km/h.

Altitude Operacional: Cerca de 4.000 metros.

Climb: 5 minutos para atingir 1.000 metros.

Autonomia: Cerca de 2 horas.

Pesos: Vazio 519 kg. Máximo na decolagem: 728 kg.

Armamento: 1 X LMG 08 Spandau  de 7,92 mm.

A versão D.IV, das quais apenas três foram construídas a pedido de uma encomenda feita no começo de março de 1916, alterou o layout da asa preparando para uma única baia e utilizando um Bz.III Benz seis cilindros em linha com 110 kW  de potência. Testado em outubro de 1916, este modelo foi rejeitado, necessitando de uma nova avaliação devido a um campo de visão pobre de vista para frente, prejudicando o piloto. A versão final, a D.V foi uma alteração menos radical da versão anterior D. III, e principalmente da D.II. Um total de 57 aeronaves D.V foram construídos, a partir de encomendas em outubro de 1916 e janeiro-junho de 1917, com 31 desses sendo enviados para os aliados da Alemanha.

Halberstadt D.III

Apesar de ser inferior em termos de performance ao Albatros, o Halberstadt D.II mostrou – se um caça confiável e admirado por suas tripulações, infelizmente o seu tempo de serviço em primeira linha foi curto devido ao aparecimento de caças mais modernos, mas ele contribuiu para que os alemães recuperassem o controle do espaço aéreo, fato que originou o “Abril Vermelho” de 1917.